Consultório José Caminha - Provas Respiratórias

Doenças Respiratórias / Pulmonares

O nosso organismo precisa de oxigénio para viver.

A respiração serve para levar o oxigénio existente no ar através do aparelho respiratório até aos pulmões. Aí entra em contacto com o sangue que o leva às células de todo o corpo. O oxigénio é indispensável para as nossas células. O sangue recebe o anidrido carbónico produzido pelas células e leva-o até ao pulmão que o elimina para o ar. O aparelho respiratório está deste modo encarregue de fazer as trocas gasosas.

O aparelho respiratório

O aparelho respiratório começa no nariz e fossas nasais, a orofaringe (garganta), a laringe e a traqueia, que são como que um tubo que leva o ar que entrou pelo nariz até ao pulmão. A traqueia divide-se em dois bronquios, direito e esquerdo.

Os brônquios vão-se dividindo cada vez mais à medida que vão penetrando nos pulmões. Na sua parte terminal, são já muito estreitos e chamam-se bronquíolos. Os bronquíolos por sua vez terminam nuns pequenos sacos chamados alvéolos.

Ao nível dos alvéolos as artérias transformam-se em capilares. O sangue dos capilares entra em contacto com o ar que chegou aos alvéolos e é aí que se dão as trocas gasosas: o oxigénio do ar passa dos alvéolos para os capilares e o monóxido de carbono produzido pelas células e que passou para a circulação, passa para o ar alveolar.

Quando a caixa torácica aumenta de volume, o ar entra através do nariz até aos alvéolos e ocorre a inspiração. Segue-se a expiração, uma diminuição do volume dos pulmões que expulsam o ar contido para o exterior.

A Doença Pulmonar Obstructiva Crónica (DPOC):

A Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica (DPOC) caracteriza se por uma obstrução das vias aéreas.

Pode existir em 2 situações que frequentemente se associam:

  • Bronquite crónica: inflamação crónica dos brônquios em que há tosse e expectoração na maior parte dos dias de 3 meses de 2 anos consecutivos.
  • Enfisema: destruição progressiva dos alvéolos com compromisso da função

A doença atinge mais os homens do que as mulheres devido ao maior número de homens que fumam. Com o aumento do número de fumadoras, é previsível que  no futuro esta diferença se reduza.

Na grande maioria dos doentes a DPOC é causada pelo fumo do cigarro. Entre 10% a 15% dos fumadores vêem a sofrer de DPOC.

Algumas exposições profissionais também podem causar DPCO. Nos fumadores a poluição atmosférica é um factor de agravamento.

A doença instala-se lenta e progressivamente. Muitas vezes o doente só recorre ao médico numa fase avançada da doença. Inicialmente o doente tem tosse acompanhada por expectoração mas não valoriza. Passa a fazer infecções respiratórias mais frequentes. Surge cansaço fácil com os esforços, que se vai agravando ao longo do tempo até surgir para pequenas tarefas, como a higiene diária e a fala.

Durante algum tempo, apesar dos sintomas, o pulmão consegue levar a efeito a sua função principal de receber o oxigénio do ar e transportá-lo até ao sangue, e receber deste o anidrido carbónico que elimina para o ar.

À medida que a doença evolui e o território afectado vai aumentando, esta função vai-se reduzindo. O oxigénio que chega ao sangue vai sendo menor e o anidrido carbónico vai-se acumulando. A estas alterações dos gases do sangue chama-se insuficiência respiratória. Nesta fase é por vezes necessário o tratamento com Oxigénio e posteriormente com ventilação não invasiva.

  • É fumador, tem tosse e expectoração, principalmente durante a manhã, na maior parte dos dias de 3 meses de 2 anos consecutivos?
  • Constipa-se durante o Inverno cada vez com mais frequência e durante mais tempo do que era habitual?
  • Cansa-se com facilidade a subir escadas e nas subidas?
  • Pode ter uma DPOC.

No tratamento da DPOC é fundamental deixar de fumar: Esta é a única medida que impede a doença de agravar.

As Provas Funcionais Respiratórias são essenciais para diagnosticar a doença e avaliar o grau de gravidade. Permitem conhecer o eventual grau de Enfisema.

São muito importantes para o prognóstico e para monitorizar a evolução ao longo do tempo.

Se tem DPOC, dependendo do grau de gravidade, pode ter interesse fazer Exame Funcional Respiratório uma vez por ano.